Blog

Saiba quais são as estratégias de gestão que ajudaram ONG a estar na lista das 100

Indicadores de resultados estão presentes em todos os processos da Fundação Tênis, incluindo as aulas

Acabamos de ver nas Olimpíadas várias histórias de como o esporte pode mudar vidas. É essa a proposta da Fundação Tênis, uma das 100 melhores ONGs do Brasil, que trabalha com um programa social e educativo para ajudar crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

O entrevistado do nosso blog essa semana é o superintendente da organização, Luis Carlos Enck, que é conhecido lá na ONG por seu apelido, Biba. Ele contou um pouco sobre como eles estão lidando com os desafios da pandemia e também sobre como a profissionalização dos processos de gestão tem ajudado no trabalho. Saiba tudo a seguir.

Qual é a história que deu origem à ONG? Um grupo de empresários, apaixonados por tênis, quis oportunizar o ensino da modalidade para crianças em situação de vulnerabilidade, fazendo com que elas saíssem das ruas de Porto Alegre para praticar um esporte até então inimaginável para elas. Logo no início das atividades, eles perceberam que o foco seria o desenvolvimento social dessas crianças através do esporte. Posteriormente, o impacto na educação e finalmente a necessidade de encaminhar nossos alunos para cursos profissionalizantes e acompanhá-los nestes cursos. Para confirmar, nosso programa capta recursos através do Funcriança (social), Lei de Incentivo ao Esporte Federal, Estadual e Municipal (esporte) e termos de parceria financeira com as secretarias municipais de educação (impacto na educação formal).

Com o passar dos anos, e o sucesso de nosso trabalho, o crescimento se tornou inevitável e a Fundação Tênis profissionalizou seus processos de gestão e adequou sua metodologia para justamente promover o desenvolvimento integral de seus alunos em todos os núcleos. Como forma de viabilizar estas novas abordagens, todos os profissionais foram treinados e capacitados para que estivessem aptos a aplicar esta nova metodologia durante o período dos alunos na instituição. Todas as aulas da Fundação Tênis são embasadas nos planos de aulas, e por sua vez, são planejadas a partir de princípios e diretrizes desenvolvidos pelo Comitê Pedagógico da Fundação Tênis.

Como um elo entre a prática de esporte para desenvolvimento humano e bons princípios de governança, a Fundação Tênis criou um modelo de gestão através de indicadores de resultados chamado Itens de Controle Gerenciais (ICGs). Os itens de controle (ICs), estão presentes em todas as atividades e, portanto, também nas aulas dadas aos alunos. Cabe citar que todos os indicadores são avaliados não só sob a ótica quantitativa, mas também qualitativa.

Qual é o maior desafio de gestão que vocês têm hoje? E os planos para esse ano e próximo? O nosso principal foco, principalmente com a pandemia, era evitar a perda dos vínculos construídos ao longo de vários anos. Esse é o bem, valor inestimável, que permite a transformação de vidas. O momento era desconhecido de todos, não havia muito no que se embasar e era necessário agir. E nós agimos rapidamente, nos estruturando e nos preparando para ajustar o caminho, caso fosse necessário. Também preparamos nosso comitê psicossocial, responsável por lidar com as situações emocionais e eventuais angústias que esse novo momento poderia nos causar. Com isso, nossos colaboradores estavam amparados.

Acreditamos que uma entidade que atua no terceiro setor deve estar sempre atenta às mudanças e inovações que acontecem em suas atividades. Neste sentido, conforme comentamos acima, o projeto teve de se adaptar ao momento, visto que essa era uma situação inédita em 20 anos de atividades. O terceiro setor tem como principal objetivo criar mecanismos de responsabilidade social, ou seja, conectar ideias, atividades, ações a quem mais precisa. Começamos como um programa puramente esportivo, depois passamos para um programa social, posteriormente educativo e, por último, oportunizando vagas em cursos de capacitação profissional.

Nossas estratégias estão adequadas justamente pelo retorno que nos é passado, seja das prefeituras e escolas parceiras, mantenedores que estão conosco há mais de 10 anos, ou dos próprios alunos e familiares que, mesmo num momento tão difícil como o que estamos passando, não medem esforços para se envolver com as nossas propostas.

Conta pra gente o maior orgulho do trabalho ou uma história de voluntariado ou ação inspiradora? Aqui eu vou te mandar o link da nossa playlist de 20 anos no canal do YouTube. São várias histórias, uma melhor que a outra.


Foto: divulgação/ João Alves

Veja também: